domingo, 26 de março de 2017

FRASE DO DIA (504)


Os que invocam a soberania das "leis" do mercado para justificar as desigualdades salariais sabem bem que o mercado não se rege por critérios de justiça ou de democracia e, muito menos, de ordem ética e moral.

A INSUSTENTÁVEL SITUAÇÃO DE ALMARAZ



A quantidade de energia que o ser humano actualmente necessita é cada vez maior e, sabe-se agora, que é possível obtê-la de forma limpa, sem qualquer perigo para o ambiente e para os seres vivos. Também se sabe que as fontes de energia limpa são muito diversificadas e praticamente inesgotáveis, ao contrário das que vimos utilizando desde há séculos até ao presente. O carvão, os hidrocarbonetos e o nuclear são fontes de energia que, para além de esgotáveis a curto/médio prazo, contêm em si perigos imensos, inclusive para a sobrevivência dos seres vivos á superfície da Terra.
Os principais responsáveis políticos a nível mundial sabem que assim é, mas muitos interesse se opõem a que se tomem medidas no sentido de se levar a cabo uma transição rápida para fontes de energia renováveis e limpas. É a luta das populações através de protestos e muitas acções de rua, a que se juntam organizações ambientais e forças políticas não conluiadas com poderosas empresas e lobbies internacionais que poderão alterar o actual estado de coisas.
Bem perto de nós, temos um exemplo do que acima se referiu, com o que se passa relativamente à central nuclear de Almaraz, instalada numa das margens do rio Tejo, junto à fronteira portuguesa, cujo encerramento é imprescindível em defesa de vidas e haveres, tanto de espanhóis como de portugueses.
No seguinte artigo de opinião que transcrevemos do Expresso de ontem, os coordenadores do Movimento Ibérico Antinuclear em Portugal e Espanha, respectivamente António Eloy e Francisco Castejón, defendem o encerramento definitivo da central nuclear de Almaraz.
As centrais nucleares são um obstáculo a uma transição para um sistema elétrico limpo. Demoram muito a entrar em base e não se regulam com facilidade. Já houve ocasiões em que foi necessário “tirar” de produção 3000 MW de energia eólica, o equivalente a três centrais nucleares, em situações de baixo consumo e muita produção eólica, pela impossibilidade de apagar as nucleares e assim se deixou de produzir energia limpa durante muitas horas perdendo-se milhões de euros.
Além de ser um obstáculo para as renováveis as centrais nucleares geram resíduos para centenas de milhares de anos e são um risco inaceitável, ademais de não terem uma forma de gestão segura e satisfatória.
O MIA propõe que as centrais nucleares vão fechando quando acabem as atuais licenças de exploração, dessa forma podemos ir tomando as decisões para no quadro da supressão dessas fontes de energia desenvolvermos as medidas necessárias para que não haja um aumento das emissões de CO2, para a afirmação das renováveis e para medidas de poupança e eficiência na gestão da procura.
Com esse calendário Almaraz será a primeira a fechar. Os dois reatores com um total de quase 2100 MW de potência elétrica são propriedade da Iberdrola ( 53%) da Endesa ( 36%) e Gas Natural Fenosa (11%) e têm autorização até 2020.
Almaraz é refrigerada pelo rio Tejo, comum a Espanha e Portugal, e um hipotético acidente com fuga radioativa poderia contaminá-lo, afetando ambos países. Já a saúde do rio se vê afetada pela central, dada a elevação da temperatura e os despejos quotidianos, controlados de trítio, um isótopo radioativo com 13 anos de vida média.
O projeto de Armazém Temporal Individualizado (ATI) está concebido para prolongar o funcionamento da central para lá de 2020, dado que as suas piscinas de combustível utilizado têm capacidade para armazenar resíduos além de 2020. A luta contra o cemitério de Almaraz é, portanto, a luta pelo fecho de Almaraz em 2020. É necessário fechar Almaraz para reduzir os riscos. Não sabemos como se comportam a longo prazo os sistemas de segurança da central. Os sistemas foram desenhados para 40 anos de funcionamento, o alargamento desse prazo é uma experiência tecnológica que pode, no caso de alguma falha, provocar uma catástrofe ambiental de magnitude incalculável.
O processo de autorização do ATI realizado pelas autoridades espanholas contrariando a legalidade internacional (pelo menos três diretivas europeias!) ao não ter em conta Portugal, apesar de solicitações do Governo português, contrariou a legalidade internacional (e agora menospreza a autoridade ambiental portuguesa ao colocar em análise o... que já foi analisado e aprovado em Espanha, os mesmos documentos exatamente!)
O pacto assinado pelos Governos português e espanhol e que levou à retirada da queixa em Bruxelas é uma cedência total do Governo português sem qualquer contrapartida ambiental clara e banalizando as infrações.
Pelo ambiente, pela economia, pela cidadania e pela suficiência, temos que fechar Almaraz.

sábado, 25 de março de 2017

O CÃO DE FILA DE SCHÄUBLE


In Expresso Economia
O queijo Gouda é de origem holandesa e é o mais produzido no país.

O CHICOESPERTISMO DA EDP E A COMPLACÊNCIA DO GOVERNO…



CITAÇÕES


Uma cidade que fosse um corredor de aeroporto, sem habitantes mas cheio de lojas gourmet, não seria uma cidade.

Tem sido ele [Dijsselbloem] quem faz, pois é uma marreta de Schauble, que cuida do controlo político sobre o euro através dessa instituição sem regras, o Eurogrupo.
(…)
[Os nossos conservadores] ainda não perceberam que de inferno sabemos todos muito, vivemos a caminho dele desde que Passos Coelho nos explicou que, com a troika, precisamos mesmo de empobrecer – sem “copos” e sem “mulheres”, diria o presidente do Eurogrupo.
F. Louçã, Público (sem link)

A Casa Branca foi ocupada por um trio de loucos furiosos e freaks racistas – Donald Trump, Steve Bannon e Kellyanne Conway –, sem dúvida as mais perigosas aberrações políticas da actualidade.
(…)
A UE continua nas mãos de políticos aberrantes, supostamente abstémios e misóginos, que desprezam os países do sul e estão acorrentados à serventia dos diktats alemães.

[Trump] é o Presidente da “nova ignorância”, sobre a qual escrevi há algum tempo, um misto de troll, de figurante de um reality show especialmente bully, um artista de variedades e um con man, um vigarista.
(…)
A ameaça, a chantagem e a vingança são elementos fundamentais no seu Twitter [de Trump].
(…)
Trump não é um democrata, mas um autocrata numa democracia.
(…)
O seu estilo [de Trump] ajuda a recrutar e ascender gente que faz do bullying um modo de exercer o poder.
Pacheco Pereira, Público (sem link)

[A CGD] tem a obrigação social e nacional de estar principalmente nos sítios onde os privados não estão.
São José Almeida, Público (sem link)

Antes das eleições [na Holanda] e da pérola linguística do primata [Dijsselbloem] havia movimentações para o manter no lugar, porque Schäuble precisa de um holograma à frente do Eurogrupo.
(…)
Querer aplicar sanções a Portugal com base no PDM [Procedimento por Desequilíbrios Macroeconómicos] é uma nova prova de que as entidades europeias estão fortemente incomodadas com a solução política portuguesa.
Nicolau Santos, Expresso Economia (sem link)

Enquanto a Europa for controlada por quem não conhece nada que não seja a sua própria sala de trabalho, os gregos estarão fritos e nós cozidos.
Pedro Santos Guerreiro, Expresso (sem link)

[Se houver petróleo em Portugal] entra no negócio internacional e vamos comprá-lo sempre nos mercados internacionais ao preço internacional.
Luísa Schmidt, Expresso (sem link)

O problema não é Dijsselbloem dirigir uma instituição europeia. É ser um perfeito representante do que é hoje a União.
Daniel Oliveira, Expresso (sem link)

Pelo ambiente, pela economia, pela cidadania e pela suficiência, temos de fechar Almaraz.
Francisco Castejón e António Eloy, Expresso (sem link)

Jeroen Dijsselbloem, constrangido pelo escândalo a pedir desculpa, justificou-se com aquilo a que chamou a sua “habitual frontalidade”, o que confirma ter dito algo que pensa.
Rui Bebiano, Diário as beiras (sem link)

sexta-feira, 24 de março de 2017

INTERVENÇÃO DE JORGE FALCATO SOBRE ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A DEFICIÊNCIA




Intervenção do deputado bloquista Jorge Falcato na apreciação de várias propostas do Bloco de Esquerda sobre a necessidade e a urgência de um novo rumo nas políticas para a deficiência (24-03-2017) 

FRASE DO DIA (503)


Se portanto nos perguntamos se Dijsselbloem é simplesmente uma anedota que se pode descartar com o abanar da mão, a prudência pede que se olhe para a floresta e não só para a árvore: o homem foi simplesmente a voz do governo europeu.
Francisco Louçã, Público