sábado, 18 de novembro de 2017

UMA CRIAÇÃO DO CAPITALISMO NEOLIBERAL


1% da população mundial detém a mesma riqueza que os restantes 99%...

CITAÇÕES


Os custos do trabalho estão a ser embaratecidos.
(…)
De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, Portugal foi nos anos da austeridade um dos países em que a proporção dos salários no rendimento nacional mais diminuiu.
(…)
Na ausência de poder negocial e de contratação coletiva, o próprio salário mínimo vai-se transformando perversamente numa espécie de “salário-padrão”.

A direita, como [José Miguel] Júdice, está agora nisto: queremos o poder mas não podendo ser, pelo menos que o PS tenha maioria absoluta, já dormimos descansados.
Francisco Louçã, Público (sem link)

Quase 90% dos crimes de violência doméstica registados não chegam a ser julgados.
Conceição Gomes, Público (sem link)

Impressionante que por cá se insinue que escolas e professores são medíocres e por lá [Europa] se afirme que os resultados escolares são melhores que os do resto da Europa.
Santana Castilho, Público (sem link)

O perfume do impeachment [de Trump] tornou-se cada vez mais intenso.
Barbara Reis, Público (sem link)

É possível fazer o elogio da democracia americana sem nos lembrarmos de Hiroshima, ou, entre muitos exemplos, dos 3,5 milhões de vietnamitas mortos na guerra americana?
(…)
Em síntese: mudar é que é violento; a dominação, a desigualdade e a exploração, essas, são simplesmente componentes da natureza humana.
Manuel Loff, Público (sem link)

A descarbonização dos sistemas de energia é fundamental.
(…)
As alterações climáticas estão em andamento e o tempo para evitar impactos verdadeiramente devastadores está a acabar.
Francisco Ferreira, Público (sem link)

Esta é a posição histórica dos EUA: o país mais responsável pelas alterações climáticas da História, maior poluidor em termos cumulativos e maior produtor mundial de combustíveis fósseis, é o sabotador-mor de negociações sobre o clima.
João Camargo, Público (sem link)

Desta vez [os professores] têm razão na reivindicação, de que o tempo de congelamento conte para o futuro.
Pedro Santos Guerreiro, Expresso (sem link)

É natural que grupos profissionais cujo estatuto se degradou e a remuneração regrediu queiram recuperar o tempo perdido.
Pedro Adão e Silva, Expresso (sem link)

Continua a ser chocante que saber que o mundo conseguiria produzir os alimentos necessários para todos, e que se gasta dez vezes mais em armamento do que em cooperação.
P. Filipe Martins sj, Expresso (sem link)

Perante a actual situação económica e social, a oposição agarra-se a episódios para que pareça fantasia o que as pessoas sentem em casa.
Daniel Oliveira, Expresso (sem link)

No parecer sobre o Orçamento do Estado para 2018, o Conselho [das Finanças Públicas] continua a exibir uma hostilidade irracional para com o Governo.
Eduardo Paz Ferreira, Expresso (sem link)

Angola não é apenas um problema dos angolanos.
Nicolau Santos, Expresso Economia (sem link)

A União Europeia devia ter como prioritário acabar com o roubo de impostos praticado por alguns países sobre outros.
Paul De Grauwe, Expresso Economia (sem link)

TRUMP E KIM PARECEM GÉMEOS



Quando Bush (filho) foi eleito para a presidência dos Estados Unidos da América (EUA), uma onda de anedotas invadiu o mundo para sublinhar que estávamos perante uma personalidade iminentemente ignorante e que pior não poderia vir a suceder na maior potência à face da Terra. Mas a verdade é que, apesar de tudo, Bush foi sempre previsível relativamente às suas decisões. Com a eleição de Obama, muitos terão pensado que o pior já tinha passado relativamente ao inquilino da Casa Branca e que se teria entrado noutro rumo, bem mais de acordo com as responsabilidades de um país como os EUA.
Ainda que se coloque no ar a possibilidade de ter havido fraude na eleição de Trump, a verdade é que ele se tornou o homem mais poderoso do mundo mas, ao mesmo tempo, completamente impreparado para as funções que desempenha e de uma total imprevisibilidade quanto às decisões que toma.
Por outro lado, na Coreia do Norte, um regime ditatorial, o seu líder também tem uma personalidade imprevisível, com comportamentos “primários como as crianças”, capaz de desencadear um conflito de proporções inimagináveis à escala mundial.
Como muito bem diz Domingos Lopes no artigo de opinião que assina no Público de ontem (e que reproduzimos a seguir) “é estranho que dois sistemas tão antagónicos gerem dois líderes cujas emoções e sentimentos os façam parecer gémeos” e cuja acção “amedronta a Humanidade inteira”.
Vivemos num mundo de conhecimentos cada vez mais amplos e, ao mesmo tempo, cheio de riscos e perigos devido à loucura humana de domínio. Há dias, 05/11/2017, neste jornal, António Damásio alertava para a necessidade imperiosa de alargar e aprofundar a educação e a cultura como meio de evitar que os homens se matem uns aos outros e se quebre de vez o ciclo de guerras que desde o homo sapiens marca a humanidade.
É um facto que sobretudo desde a eleição de Trump, a Península Coreana vive um período que pode fazer explodir um conflito e lançar o mundo numa guerra nuclear. Há dias, a embaixadora da Coreia do Sul para a Diplomacia Pública, Enna Park, dizia ao jornalista Leonídio Ferreira, do DN de 10/11/2017: “Temos de manter a nossa capacidade de dissuasão, o que significa ter uma superioridade militar”... As palavras valem o que valem, e aqui estão elas com toda a brutalidade — a Coreia do Sul quer ter superioridade militar sobre a Coreia do Norte, o que se adivinhará contando com a força militar e nuclear dos EUA.
É de imaginar que o Norte possa querer dissuadir a irmã do Sul obtendo ou tentando obter uma superioridade militar. Neste exato terreno de louca corrida às armas os únicos que podem eventualmente ganhar são os fabricantes de armas de ambos os lados.
Os militares no Norte porque ser-lhes-á mais fácil manter o país sob o manto da repressão.
“Velho decrépito”, atirou Kim Jong-un a Trump, o que fez a cabeça bem ajuizada do íncola da Casa Branca vir a terreno dizer que nunca chamaria ao dono de Pyongyang “baixo e gordo”.
Não há muito tempo que o da Coreia afirmava que os EUA enfrentariam um dilúvio de fogo nuclear... o dos EUA contra-atacou, ameaçando o outro com um mar de fogo e fúria.
É estranho, sobretudo nos EUA, que se assista a este desmando, sem que estas grosserias diplomáticas não criem uma onda de indignação que faça com que Donald Trump se remeta ao mínimo na sua passagem pela Casa Branca.
Ao que se sabe, Kim Jong-un poderá dizer o que quiser, porque na terra dos Presidentes de República eleitos por legitimidade dinástica, uma espécie de reino republicano em que o primogénito sucede não ao rei, mas ao grande líder ou ao querido dirigente, ninguém abrirá a boca a não ser para aplaudir o que o dirigente máximo diga.
Se o homem à frente do país mais poderoso do mundo não acredita nas alterações climáticas e tuíta a ameaçar com um mar de fúria e fogo a Coreia do Norte, dirigida por um fulano “baixo e gordo” a continuar a sua senda para o desconhecido e imprevisível, que vai suceder ao mundo? Se o querido dirigente, grande líder, continuar a ter o dedo no gatilho ameaçando os EUA com um dilúvio de fogo nuclear, o que pode suceder ao mundo? Se a Coreia do Sul continuar a procurar a superioridade militar para dissuadir o Norte, que vai suceder ao mundo?
O melhor do Público no email
Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.
É estranho que dois sistemas tão antagónicos gerem dois líderes cujas emoções e sentimentos os façam parecer gémeos. A diferença no modo como se exprimem quanto ao conflito é quase nula. Primários como as crianças e desbocados como todos os que vivem centrados em si próprios. O mal é o poder que têm. Um pesadelo que amedronta a Humanidade inteira.
Não há mais ninguém no mundo que una esforços para encontrar uma saída para a crise coreana e impeça a imprevisibilidade e o acaso? 

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

FRASE DO DIA (696)


Os CTT perdem rentabilidade e lucro desde que se tornaram uma empresa privada.

EDUARDO DOS SANTOS E MUGABE: OS DOIS DITADORES FORAM “REFORMADOS”




José Eduardo dos Santos e Robert Mugabe saem de cena, o ar deve estar mais respirável por aquelas bandas. O que vem aí, ninguém sabe. Mas, dificilmente será pior o que vem a seguir.
  

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

JOÃO VASCONCELOS EM DEFESA DOS PESCADORES NA COSTA VICENTINA




Intervenção do deputado João Vasconcelos no âmbito do debate na especialidade do Orçamento do Estado e das Grandes opções do Plano para o ano de 2018, contra a descriminação à pesca na Costa Vicentina. (08-11-2017)